1. This product was added to our catalog on Tuesday 26 July, 2011.

    Towards Stars-practical guide to observing the Sky
    [Português]

    Our Price:  17.82EUR

    Untitled Document

    Rumo às Estrelas

    Guia Prático para Observação do Céu

    Como Identificar Estrelas e Constelações sem o Auxílio de Instrumento

    de Albert Delerue

     


    Disponibilidade: Imediata
    Prazo aproximado para entrega: 2 dias

     

    Rumo às Estrelas

    Guia Prático para Observação do Céu

    Como Identificar Estrelas e Constelações sem o Auxílio de Instrumento

    Número de Páginas: 87
    Ano de Edição: 2001

    Rumo às Estrelas

    Guia Prático para Observação do Céu

    Como Identificar Estrelas e Constelações sem o Auxílio de Instrumento

    Que estrela é aquela? Como fazer para encontrar a Intrometida do Cruzeiro do Sul? Onde fica a constelação de Escorpião? E a galáxia de Andrômeda?

    Este é um guia prático e fácil de usar. Vai ajudar você a localizar e identificar as principais estrelas e constelações do nosso hemisfério. E também contar algumas lendas e histórias antigas associadas a esses astros brilhantes e misteriosos, que tanto intrigam os homens desde o início dos tempos.

    Rumo às estrelas é destinado ao público leigo e, com seus diagramas de orientação celeste, dispensa o uso ou a ajuda de qualquer instrumento de aumento. Se você realmente deseja participar de uma "jornada nas estrelas", eis aqui o convite para essa grande aventura.

    ALBERTO DELERUE é jornalista e editor de ciências do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) e até recentemente foi vice-presidente do Clube de Astronomia do Rio de Janeiro (CARJ). E autor da série Cadernos de Astronomia, editada pelo MAST, e dos livros Marte, nosso irmão enferrujado e Nossos planetas.

    Apresentação

    A observação do céu é uma das práticas mais antigas da humanidade. Relatos antigos e registros arqueológicos mostram que o movimento periódico da abóbada celeste despertou o interesse do Homem, que, partindo da seqüência rítmica e constante dos padrões celestes, soube criar uma cosmovisão útil para sua adaptação na Terra. Embora várias outras espécies, animais e vegetais, encontrem no céu uma fonte de informação essencial para o desenvolvimento de estratégias adaptativas, foi o Homo sapiens que, observando o céu, elaborou a noção de tempo. O céu era, também, o local dos símbolos; lá estavam preservados — organizados em grupos, ou constelações — os signos da cultura: Órion, Escorpião, Hércules, Gêmeos, Unicórnio...

    O movimento do céu é sem dúvida o fator mais importante para a construção de um tempo circular, isto é, de um tempo que retorna ao ponto de partida de forma cíclica. A elaboração do calendário está diretamente relacionada ao movimento da abóbada celeste. Não que o tempo esteja, ele próprio, ligado ao movimento, uma idéia rechaçada desde a Idade Média, quando a noção de um tempo cíclico foi gradualmente substituída pela de tempo linear que, partindo da Criação, passava pela vinda de Cristo e apontava para o Juízo Final. Historicamente as transformações sociais que ocorreram a partir do século XII levaram à adoção de um tempo de mercador, ou seja, um tempo que não retorna nunca: o tempo do comércio, o tempo dos negócios. Já no século XVII, o tempo assumiu um caráter absoluto, independente de qualquer referência ao mundo real, um tempo que avança homogeneamente, distinto do tempo das coisas.

    E eis que voltamos ao movimento aparente do céu: é através dele que conseguiremos medir a relação entre a duração do dia e a do ano. É preciso, portanto, olhar as estrelas não como objetos brilhantes e atraentes que ocorrem após o pôr-do-Sol, mas como entidades que nos fornecem dados importantes. Para que isso ocorra, é preciso classificá-las, ordená-las e agrupá-las, sem o que seria impossível entender o movimento celeste. Ou seja, é indispensável manter, na Nova Ciência, a antiga idéia das constelações para que possamos, de fato, compreender o céu. Mas agora, com o novo saber, o valor simbólico, astroló-gico, que o conjunto de estrelas possui deve ser reelaborado pelo discurso científico com critérios estritamente racionais. As novas constelações, aquelas criadas após os Grandes Descobrimentos dos séculos xv e xvi, passam a ganhar nomes de instrumentos científicos ou dos valores da cultura que permitiram o novo pensamento: Sextante, Cruzeiro do Sul, Bússola, Microscópio...

    Mas o que parecia estável, salvo uma ou outra ocorrência que rompia com a perfeita periodicidade, alterou-se completamente com as noções desenvolvidas pela ciência do século xx. Hoje o céu é a nossa representação do passado. A Lua, ou melhor, a imagem que vemos dela, é uma imagem de um passado de pouco mais de um segundo. A imagem do Sol é de cerca de oito minutos atrás; a de Rigel, a brilhante estrela da constelação de Órion, é uma imagem de 900 anos passados, enquanto a galáxia de Andrômeda, o objeto visível mais distante de nós, é uma imagem de dois milhões de anos atrás. Ou seja, somos passageiros do tempo, sentados de costas para o movimento: vemos à nossa frente o passado no céu; vivemos o fugidio presente enquanto o futuro vai sendo criado atrás de nós sem que possamos ao menos imaginá-lo.

    O presente livro permite-nos ver o céu noturno com outro olhar. O que antes era uma paisagem bela e reconfortante, que despertava poesia e imagens simbólicas, após a leitura passa a ser um dos mais impressionantes registros de nossa condição humana. O céu não é ingênuo. Mas para isso devemos saber extrair dele o que sabiamente ele esconde. É preciso podermos identificá-lo para que possamos entendê-lo.

    Sumário
    Agradecimentos
    Apresentação
    Parte I: A Caminho
    O que é uma estrela
    As distâncias no céu
    Calculando as distâncias
    Brilho das estrelas
    Teste sua capacidade visual
    A Via Láctea
    A eclíptica
    O Cruzeiro do Sul e os pontos cardeais
    As constelações
    As principais constelações do Céu austral
    Parte II: No céu
    Usando os diagramas
    Carta celeste de verão
    Carta celeste de outono
    Carta celeste de inverno
    Carta celeste de primavera
    Como localizar as principais constelações e estrelas
    Órion: Nosso ponto de partida
    Janeiro: Órion - Sírius (Cão Maior) -Prócion (Cão Menor) - Plêiades - Perseu
    Fevereiro: Touro; Capela (Cocheiro); e Hiades -Gêmeos - Cocheiro - Lebre; Pomba; e Cursa (Erídano) - Triângulo de Inverno
    Março: Cruzeiro do Sul - Centauro - Saco de Carvão (Cruzeiro do Sul) e Mosca - Triângulo Austral
    Abril: Antares (Escorpião) - Miaplacidus (Carina) - Regulus (Leão) - Spica (Virgem) e Corvo Arcturus (Boieiro)
    Abril: Ursa Maior - Corvo e Taça - Arcturus (Boieiro) - Sextante - Denebola (Leão)
    Maio: Leão - Câncer, o Caranguejo - Hidra Fêmea, a Serpente Marinha, e Vela
    Junho: Sagitário - Ofiúco - Vega (Lira) - Cisne - Águia - Serpente
    Julho: Escorpião - Balança - Lobo - Arcturus (Boieiro) - Triângulo de Verão Austral -Hércules
    Agosto/setembro: Coroa Boreal - Hércules - Lira - Cisne - Dragão
    Outubro: Pégaso - Triângulo de Verão e Golfinho - Flecha e Raposa - Cefeu -Cassiopãa
    Novembro: Pégaso - Peixes, Aquário e Capricórnio - Difda (Baleia) - Fomalhaut (Peixe Austral) Dezembro: Andrômeda - Perseu - Áries, o Carneiro - Capela (Cocheiro) - Plêiades
    Planetas
    Alguns dados interessantes
    Chuva de meteoros
    As principais chuvas de meteoros
    Parte III: Na terra
    Lendas e mitos do céu
    Parte IV: Há mais coisas entre o céu e a terra...
    A cor das estrelas
    A coloração dos planetas
    Constelações circumpolares
    Através de binóculos
    Mudança do desenho das constelações
    Vida no Universo
    Pequeno glossário de termos astronômicos
    Tabelas
    As 20 estrelas mais brilhantes
    As maiores estrelas
    As estrelas mais próximas
    Localização dos planetas
    Índice de constelações e estrelas
    Bibliografia básica
    Endereços úteis

    Índice de constelações e estrelas:

    Abaixo estão relacionadas as constelações e estrelas localizadas no texto As constelações estão destacadas em azul e entre parênteses aparecem seus nomes em latim. Já as estrelas aparecem acompanhadas da constelação da qual elas fazem parte.

    Achernar (Erídano) Acrab (Escorpião) Acrux (Cruzeiro do Sul) Adhora (Cão Maior) Agena ver Hadar Águia (Áquila) Al Anf ver Enif Al Anz (Cocheiro) Albireo (Cisne) Alcione (Touro) Alcor (Ursa Maior) Aldebaran (Touro) Alfa da Águia ver Altair Alfa da Carina ver Canopus Alfa da Coroa Boreal ver Alpheca Alfa da Hidra Fêmea ver Alphard Alfa da Lebre verArneb Alfa da Lira ver Vega Alfa da Pomba ver Phact Alfa da Ursa Menor ver Estrelo Polar Alfa da Virgem ver Spica Alfa de Andrômeda ver Aipheratz Alfa de Órion ver Betelgeuse Alfa do Boieiro ver Arcturus Alfa do Cão Maior ver Sírius Alfa do Cão Menor ver Prócion Alfa do Carneiro ver Hamal Alfa do Centauro ver Rigel Centauro Alfa do Cisne ver Deneb Alfa do Cocheiro ver Capela Alfa do Cruzeiro ver Acrux Alfa do Erídano ver Achernar Alfa do Escorpião ver Antares Alfa do Leão ver Regulus Alfa do Ofiúco ver Rasalhague Alfa do Pégaso ver Markab Alfa do Peixe Austral ver Fomalhaut Alfa do Perseu ver Mirfak Alfa do Sagitário ver Rukbat Alfa do Touro ver Aldebaran Alfa de Gémeos ver Castor Alferás ver Aipheratz Algebar ver Rigel Algeíba ver Algieba Algenib (Pégaso) Algieba (Leão) Algimai ver Kraz Algol (Perseu) Algomeiza ver Gomeisa Alhena (Gémeos) Alkaid (Ursa Maior) Almaaz ver Al Anz Almak (Andrômeda) Almath ver El Nath Almari ver Rukbat Alnilam ver Três Marias Alnitak ver Três Marias Alphard (Hidra Fêmea) Alpheca (Coroa Boreal) Alpheratz (Andrômeda) Altair (Águia) Andrômeda {Andrômeda) Antares (Escorpião) Aquário (Aquarius) Aquernar ver Achernar Arcturus (Boieiro) Arietis ver Hamal Arneb (Lebre) Astérope (Touro) Atlas (Touro) Ave do paraíso (Apus) Azimech (Virgem) Balança (Libra) Baleia (Cetus) Barnardi ver Estrela Barnard Becrux ver Beta do Cruzeiro Bellatrix (Orion) Beta da Baleia ver Difda Beta da Corina ver Miaplacidus Beta da Cassiopéia ver Caph Beta de Orion ver Rigel Beta do Cão Maior ver Mirza m Beta do Cão Menor ver Gomeisa Beta do Centauro ver Hadar Beta do Cisne ver Albireo Beta do Corvo ver Kraz Beto do Cruzeiro ver Mimosa Beta do Erídano ver Curso Beta do Escorpião verAcrab Beta do Leão ver Denebola Beta do Pégaso ver Scheat Beta do Perseu ver Algol Beta do Touro ver El Nath Beta dos Gémeos ver Pólux Betelgeuse (Orion) Boieiro (Bootes) Camaleão (Chamaeleon) Canícula ver Sírius Canopus (Carina) Cão Maior (Canis Major) Cão Menor (Canis Minor) Capa de Orion ver Saiph Capela (Cocheiro) Caph (Cassiopéia) Capricórnio (Capricornus) Caranguejo (Câncer) Carina ou Quilha (Carina) Carneiro (Aries) Cassiopéia (Cassiopea) Castor (Gémeos) Cefeu (Cepheus) Celeno (Touro) Centauro (Centaurus) Cisne (Cygnus) Cocheiro (Auriga) Coroa Austral (Corona Australis) Coroa Boreal (Corona Borealis) Corvo (Corvus) Cruzeiro do Sul (Crux) Cursa (Erídano) Dafirá ver Denebola Delta de Orion ver Mintaka Delta do Cruzeiro ver Pálida Deneb (Cisne) Deneb Kaitos ver Difda Denebola (Leão) Difda (Baleia) Dragão (Draco) El Nath (Touro) Electra (Touro) Eltanin (Dragão) Enif (Pégaso) Épsilon de Órion ver Alnilam Épsilon do Câncer ver Presépio Épsilon do Cocheiro ver Al Anz Épsilon do Cruzeiro ver Intrometida Épsilon do Erídano (Erídano) Épsilon do Pégaso ver Enif Épsilon do Sagitário ver Kaus Australis Erídano (Eridanus) Escorpião (Scorpius) Estrela Barnard (Ofiúco) Estrela de Magalhães ver Acrux Estrela Polar ver Pol a ris Eta da Carina (Corina) Eta do Ofiúco ver Sobik Eta do Touro ver Alcione Farte ver Phact Fidis ver Vega Flecha ou Seta (Sagitta) Fomalhaut (Peixe Austral) Gacrux (Cruzeiro do Sul) Gama da Vela ver Suhail Gama da Virgem ver Porrima Gama de Gémeos ver Alhena Gama de Órion ver Bellatrix Gama do Cruzeiro ver Gacrux Gama do Leão ver Algeíba Gama do Pégaso ver Algenib Gémeos (Gemini) Golfinho (Delphinus) Gomeisa (Cão Menor) Górgona ver Algol Hadar (Centauro) Hamal (Carneiro) Hércules (Hercules) Híades (Touro) Hidra Fêmea (Hydra) Hidra Macho (Hydrus) Intrometida (Cruzeiro do Sul) Kous Australis (Sagitário) Kraz (Corvo) Leão (Leo) Lebre (Lepus) Lira (Lyra) Lobo (Lupus) Maia (Touro) Markab (Pégaso) Mérope (Touro) Mesa (Mensa) Miaplaádus (Carina) Mimosa (Cruzeiro do Sul) Mintoka ver Três Marias Mirfak(Perseu) Mirzam(Cão Maior) Mizar (Ursa Maior) Mosca (Musca) Naos (Popa) Ofiúco (Ophiuchus) Oitante (Octans) Orion (Orion) Pálida (Cruzeiro do Sul) Pégaso (Pegasus) Peixe Austral (Piseis Austrinus) Peixes (Pisces) Pérola ver Alpheca Perseu (Perseus) Phact (Pomba) Plêiade perdida ver Plêione Plêiades (Touro) Plêione (Touro) Polaris (Urso Menor) Pólux (Gémeos) Pomba (Columba) Popa (Puppis)M Porrima (Virgem) Presépio (Caranguejo) Prócion (Cão Menor) Próxima do Centauro (Centauro) Raposa (Vulpecula) Rasalgethi (Hércules) Rasalhague (Ofiúco) Regulus (Leão) Rigel (Órion) Rigel Centauro ver Rigil Kent Rigil Kent (Centauro) Rubídea ver Gatrux Rukbat (Sagitário) Sabik (Ofiúco) Sagitário (Sagittaríus) U Saiph (Órion) Scheat (Pégaso) Serpente (Serpens) Sextante (Sextans) Shaula (Escorpião) Sigma do Oitante (Oitante) Sírius (Cão Maior) Sol Spica (Virgem) Suhail (Vela) Taça (Crater) Taigete (Touro) Toliman ver Rigil Kent Touro (Taurus) Três Marias (Órion) Triângulo Austral (Triangulum Australe) Ursa Maior (Ursa Major) Ursa Menor (Ursa Minor) Vega (Lira) Vela (Vella) Virgem (Virgo) Zeta da Popa ver Naos Zeta da Ursa Maior ver Mizar Zeta de Órion ver Alnitak


    Número de Páginas: 87
    Ano de Edição: 2001

    Reviews
Astrologers